17/11/2010

Libertadores pode aliviar prejuízo com fechamento da Arena da Baixada.

Palco da Copa, estádio do Atlético-PR deve fechar por um ano e meio em 2011 para reformas.
O sonho de o Atlético Paranaense voltar a disputar a Libertadores está próximo de acontecer, mas, contraditoriamente, um pesadelo que atormenta a torcida rubro-negra desde a decisão do título sul-americano em 2005 pode ser revivido. Naquele ano, o Atlético foi impedido de usar a Arena da Baixada no principal jogo do torneio (e de toda história do clube) contra o São Paulo, em virtude de a competição exigir um estádio maior para a final.
E a consequência de ficar sem estádio –o time foi obrigado a atuar no Beira-Rio, em Porto Alegre– é lamentada até hoje, pois o time não teve a vibrante força das arquibancadas para conquistar o inédito título e ficou com o vice-campeonato.
E nesta temporada, caso se mantenha no G4 do Brasileiro, o Furacão novamente não irá mandar seus jogos da Libertadores 2011 na Arena da Baixada, pois o estádio será fechado para as obras de modernização para a Copa 2014, a partir de junho do ano que vem.
Essa é intenção da diretoria atleticana que traçou um planejamento prévio das obras, pois o cronograma oficial ainda não foi divulgado. O clube deverá licitar no início do ano que vem a construtora que será responsável pela ampliação e remodelação do estádio dentro das normas exigidas pelo caderno de encargos da Fifa para jogos de Copa da Mundo.
A estimativa é de que as obras orçadas em R$ 130 milhões devem durar um ano e seis meses, tempo em que o torcedor atleticano terá que esperar para ver praticamente uma nova Arena da Baixada. O estádio que foi reinaugurado em 1999 receberá melhorias nos vestiários, na parte reservada à imprensa, além da ampliação na capacidade de 28 mil para 42 mil assentos.
Até a entrega da obra, possivelmente no início de 2013, o clube terá que jogar em outro local. Mas diferente do Coritiba que foi punido com a perda de dez mandos neste ano e teve que jogar em Joinville, o Atlético não cogita a possibilidade de jogar em outra cidade.
“Devemos iniciar o Paranaense na Arena e estamos definindo se jogaremos na Vila Capanema, no Boqueirão (estádio Vila Olímpica), Pinheirão. Mas o associado pode ter certeza que será em Curitiba”, disse o presidente Marcos Malucelli.
O principal receio da diretoria atleticana é que o clube perca sócios-torcedores no período em que o estádio estiver fechado. O Atlético estima, desde já, segundo informações da assessoria de imprensa, um prejuízo de R$ 20 milhões durante esse intervalo. E, com isso, somente a classificação para a Libertadores daria um fôlego às contas do clube, mesmo jogando fora de casa.